Grindstone

Escrito por

Gonçalo "Melgacius" Carvalho

Data de publicação

06 Janeiro 2021 13:00

Tópicos

Quando foi lançado, o Apple Arcade tinha alguns jogos que se evidenciaram pela sua qualidade. Grindstone foi provavelmente o mais falado. Durante uns tempos foi tópico em evidência em imensos podcasts. Como não os vejo, apenas os ouço, não sabia ao certo o que esperar deste jogo, nem se resultaria numa consola convencional. Resulta… e bem!

Em termos de lore o jogo não tem muito que se lhe diga. Jorj, um Stonegrinder, quer voltar a reunir-se com a família e para isso tem de recolher o máximo de dinheiro possível enquanto esquarteja Creeps, Freaks e Slobs. Não é história para Nobel da Literatura mas não podemos esquecer que a base do jogo vem duma estrutura móvel logo, tirando algumas excepções muito aclamadas, não é usual haver grandes invenções.

O que também não é habitual é o grau de criatividade e polimento do jogo. Está fantástico. Certo que está lá em plano de fundo aquele tiquinho a móvel, mas provavelmente se não soubesse… ok, não exageremos, se não soubesse que era um jogo móvel diria que se adaptaria como uma luva ao meu telemóvel, mas não há problema algum, pois há que acabar com o estigma que estes jogos são lixo, quando de tempos a tempos há pérolas que merecem todo o destaque sendo Grindstone uma dessas.

No fundo estamos perante um jogo de puzzles onde temos de fazer combinações de bichinhos da mesma cor para passar de nível. Com o avançar no jogo vão sendo introduzidos inimigos que aumentam a diversidade e complexidade dos níveis de forma a que nunca te sintas confortável com as tuas estratégias. Sim, o jogo dá-nos algum espaço a ganhar tiques, e tem mesmo de ser assim, mas lentamente introduzem inimigos mais fortes, com ataques mais diversos que te atacam de mais lados. Pelo meio acrescentam mais elementos para nos complicar a vida, como caixas ou pedras, que temos de destruir para ganharmos mais espaço para fazer combinações mais longas.

A cada combinação de 10 ou mais criaturinhas ganhas uma grindstone. Esta pedra permite-nos alterar a cor dos bichinhos que estamos a combinar na nossa sequência e é esse o elemento que introduz aquele conceito que nos faz sentir mais inteligentes, pois nos dá variância na forma em que abordamos cada jogada. Com o tempo os simpáticos bichinhos também nos começam a atacar. Usualmente passar um nível envolve esquartejar um determinado número destas criaturinhas, mas só após desbloquearmos a saída aparecem os melhores prémios, como coroas e tesouros que nos permitem construir perks ou aceder a níveis especiais, as criptas.

As criptas são mais Grindstone, mas por norma níveis muito mais difíceis que os normais.

Em termos de construção podemos fazer armas, poções ou armaduras que nos concedem alguns poderes extra (uns mais úteis que outros), que a certo ponto são imprescindíveis ao nosso progresso. Alguns deles têm de ser construídos de novo, outros “recarregam” entre os níveis.

A minha filha mais nova ficou curiosa com a música e, embora ainda não jogue nada, adorou as cores. Vamos admitir, quer gráficos quer música são excepcionais, capazes de chamar a atenção a qualquer um.

Ainda tens um modo online onde podes fazer desafios diários. Sabem que não sou fã destes modos, mas achei piada a estes, e admito que todos os dias ia lá fazer as missões.

Esforcei-me por arranjar um ponto negativo, e talvez possa dizer que o jogo se torna repetitivo, mas entendam que fiz streams superiores a uma hora e nunca me senti aborrecido. Porque falo disso? Porque estes jogos são feitos para serem jogados em momentos curtos, e eu sou daquelas pessoas que se aborrece com imensa facilidade. Isto diz bastante sobre a qualidade do jogo.

Assim, considerem que o jogo na Switch leva com a taxa Nintendo, mas nem toda a gente tem um dispositivo Apple para poder ter esta experiência. A mim deixou-me completamente desarmado. Adorei o conceito, a maneira inteligente como transformaram uma fórmula mais ou menos conhecido em algo único e bastante divertido. Quem comprar não se irá arrepender. Recomendado!

  • Lançamento: 15 de Dezembro de 2020
  • Plataformas: Nintendo Switch/iOS
  • Desenvolvedor: Capybara Games
  • Editora: Capybara Games
  • Nota Pessoal: 8,5/10
  • Cópia para análise gentilmente cedida por Capybara Games
  • Analisado na versão para Nintendo Switch

Lançamentos

 

King Arthur: Knight's Tale
26 Jan 2021
PC
NeocoreGames
Stronghold: Warlords
26 Jan 2021
PC
Firefly Studios
The Medium
28 Jan 2021
PC/Xbox
Bloober Team

Guias

Ver todas

TOP Reviews

Ver todas