Review: Nioh

Escrito por

Rafael "Gripe" Pereira

Data de publicação

18 Dezembro 2017 12:34

Tópicos

Nioh é um “Action/Role Play Game”, baseado no Romance “Shogun” de James Clavell, desenvolvido pela “Team Ninja” como exclusivo para a PS4.

Em Nioh, o jogador toma como personagem William Adams, um marinheiro inglês que se vê obrigado a viajar para o Japão para salvar o seu Espírito Guardião, Shaoirse, roubado por Edward Kelly. Kelly, também ele inglês, é um médium que busca coletar “Amrita” suficiente para subjugar o governo de Espanha aos pés da Rainha de Inglaterra.

A história situa-se em 1600, durante o período Sengoku do Japão. O país encontra-se em guerra civil, os senhores da guerra lutam pelo poder e unificação do país. William pouco tempo após atracar na costa japonesa, depara-se com Hanzo Hattori, um servo de Ieyasu Tokugawa que o destaca para eliminar “Yokai”, seres do além do folclore japonês, que atormentam continuamente o jogador durante a sua estadia em Nioh. Durante a sua demanda por Shaoirse e a caça aos “Yokai”, William conhece vários senhores feudais entre outras personagens históricas que o destacam para outras missões e que vão fazendo com que aos poucos seja considerando um “Samurai".

Tal como em outros jogos do mesmo género, pode se ver no ecrã uma barra de vida, que desce a alta velocidade se não existir precaução da parte do jogador, e uma barra de resistência, da qual os inimigos também dispõem que limita os movimentos e ações.  Com o timing certo, esta barra pode ser recarregada parcialmente através de uma habilidade chamada de “Ki Pulse”, um aspeto deveras inovador que veio para mudar o passo lento que o género pode tomar em combate. É possível também avistar a barra necessária para chamar o seu espírito guardião para que este possua a sua arma e auxilie em batalha nos momentos mais críticos, sendo esta uma mecânica existente noutros títulos mais virados para a ação, mas novidade no género. Podem-se também encontrar dois conjuntos de itens, indispensáveis para o progresso das missões e que poderão eventualmente tornar-se o melhor amigo do jogador, como utensílios ninja, talismãs mágicos, e elixires para a vida.

O jogo dispõe de um total de cinco armas corpo a corpo que o jogador pode utilizar, como espadas, lanças e machados, e três de longo alcance, como arco e flecha. Neste jogo as armas corpo a corpo possuem um esquema de habilidades individual para cada tipo de arma. Usa-se também conjuntos de armaduras, que salvo algumas exceções, contam com cinco peças usáveis. Alguns destes conjuntos possuem certas propriedades especiais quando usados em simultâneo. Cada peça tem seu peso próprio que influência o impacto de cada ação na resistência e velocidade do personagem. Tal como as armas, qualquer peça pode ser alterada a qualquer momento, permitindo ao jogador misturar conjuntos de armaduras para obter melhores resultados e assim elevar ao máximo o poder do seu personagem.

A evolução do personagem é feita por níveis, que para os quais é preciso juntar “Amrita”, pontos acumuláveis com uma mecânica semelhante às “Souls” de “Dark Souls” e então rezar no “Shrine”.

O “Shrine” tem o seu próprio menu, onde o jogador, pode subir o nível ao personagem e atribuir pontos, que fortalecem a sua vida ou resistência, a sua perícia com os utensílios ninja ou a intensidade da sua magia, algo bastante recorrente no mundo dos “RPG ?s”. Encontra-se também disponível outras opções que permite ao jogador mudar o seu espírito guardião, pedir uma bênção dada pelos espíritos amigáveis “Kodama” ou chamar um outro jogador para ajudar.

O jogo possuí um modo online, porém que ainda apenas “PvE” “Co-op” e nem sempre seja possível jogar este modo durante o progresso do jogo. Prevê-se a chegada de um modo “PvP” incluído no DLC em Abril, um ótimo acrescento dedicado aos jogadores mais competitivos.

O combate tende a ter a um passo mais acelerado do que outros jogos do mesmo género. Existem três poses de combate, baixo. médio, e alto.

Mas existem algumas exceções, e os bosses são uma delas. A situação é ligeiramente diferente quando estamos perante inimigos “yokai”.

O jogo não é “open world”, como se espera que seja nos dias de hoje. Pelo contrário, cada missão é uma pequena “sandbox” e o jogador pode levar horas a desvendar todos os segredos nelas escondidos.

Resumindo, a “Team Ninja” traz pouco de novo para cima da mesa com este jogo mas o pouco que traz, ou que vai buscar a outros jogos, juntamente com uma história de guerra fantástica faz de “Nioh” um jogo com características para ser colocado no topo. Não é um jogo feito para os jogadores mais casuais, mas sim para os amantes de um bom desafio, que estão dispostos a despender uma noite inteira a lutar contra um boss infernal e possivelmente passar algumas horas a “farmar equipamento para ficarem mais fortes.

Seja por florestas de bambu, mansões ninja, montes sagrados ou templos budistas o ambiente é sempre hostil, por vezes nem quando estamos sozinhos estamos seguros, deixando um nervoso miúdo à flor da pele, um batimento cardíaco acelerado e certamente olheiras e cabelos em pé!

Data de Lançamento: 8 de Fevereiro, 2017

Plataforma: Playstation 4

Desenvolvedor: Team Ninja

Editora: Koei Tecmo;Sony Interactive Entertainement

Nota Pessoal: 8.5