2020 Jan 13 / 12:15

Review: Black Future '88

O mercado indie foi recentemente inundado de jogos estilo roguelike, apenas alguns desses é que realmente conseguiram destacar-se com algumas mecânicas bastante distintas, estilos de arte diferentes e histórias interessantes.

Black Future ’88 tem algumas similaridades com Dead Cells por exemplo, em termos de plataformas e mundo gerado processualmente com 5 níveis apenas com um boss no fim de cada sequência. As semelhanças continuam com um estilo de jogo bastante rápido com mais de uma centena de armas diferentes  e com alguns itens guardados para a próxima tentativa após qualquer morte.

 

Um ponto bastante importante deste título e que se faz distinguir de outros, é o tempo que temos para poder completar o jogo, apenas 18 minutos para gerir tudo é um tempo extremamente curto, entre comprar coisas nas lojas, apanhar armas, munição, vida, itens secretos, e arriscar morrer para ir um sítio que não sabemos se irá valer a pena, acaba sendo uma luta constante na gestão de tempo. Outro dilema é que este tempo pode ser usado para trocar por um efeito benéfico para a personagem que estamos a usar no momento, será que vale a pena? 1 minuto em troca de uma percentagem a mais de dano? Isto sem contar os efeitos secundários que claramente são desvantagens massivas dependendo da escolha. Todos estes sistemas e mecânicas vão depender do estilo de jogo de cada jogador e armas em uso naquele momento.

 

Se acharam que os pontos anteriores eram difíceis, então vão querer saber que existe um modo co-op para jogar com outra pessoa, então aí é que a real confusão acontece: adicionar comunicação e explicar rapidamente o que pretendemos fazer naquele tempo reduzido é só pontos negativos em termos de otimização, mas após aprender o estilo de jogo do colega e já ter alguma noção de jogo acaba sendo uma experiência bastante engraçada para os dois lados.

 

Black Future ’88 é sem dúvida uma lembrança daqueles jogos de arcade, com apenas algumas pitadas de mecânicas modernas que tornam a jogabilidade bastante divertida. Juntamente com um ritmo bastante rápido e com apenas 18 minutos para absorver cada “ronda” torna-se bastante único e diferente em cada tentativa. Visualmente, Black Future tem um estilo synth-punk futurista, bastante colorido com efeitos fantásticos de acordo com a arte muito à anos 80 e com música a acompanhar. Se não fosse pela falta de profundidade como Dead Cells ou Wizard of Legend têm, provavelmente seria a minha preferência indie de 2019.

 

Existe espaço para mais conteúdo e novas adições, são só pontos adicionais para melhorar o jogo no geral, em vez de recomendar um ou dois jogos do estilo roguelike, poderia recomendar ainda mais! Mas sem tirar mérito nenhum à equipa, este é claramente um título que vale bastante a pena jogar!

  • Lançamento: 21 de Novembro de 2019
  • Plataformas: PC/Xbox One/Nintendo Switch
  • Desenvolvedor: SUPERSCARYSNAKES
  • Editora: Good Shepherd Entertainment
  • Nota Pessoal: 7/10
  • Analisado na versão para PC
  • Cópia gentilmente cedida pela Good Shepherd Entertainment

João "JLCfreitas" Freitas


Técnico de Redes e Sistemas, amante de jogos de terror e fanboy da Blizzard. Achievement Hunter de noite. Speedrunner de dia.