2020 Mar 23 / 14:27

Análise: Ring Fit Adventure

Muita gente está confinada a isolamento social, afastada de tudo o que é actividade física. Eu continuo a ter de ir para o hospital, mas isso é um mal do ofício, contudo tudo quanto era ginásio foi fechando, e mandrião como sou pensei que finalmente seria boa altura para passar as mãos pelo Ring Fit Adventure. Com uma balance board a ganhar pó cá em casa, que agradável é ver que este jogo melhora em muito o conceito do Wii Fit.

Ring Fit Adventure tenta, na sua maneira muito própria, tornar o exercício menos aborrecido para quem acha que o exercício é aborrecido. Eu faço parte desse grupo, logo o utilizador alvo para um produto deste género. Mandrião e barrigudo, com um gosto excepcional pela cadeira do computador, foi preciso realmente algo chato para me começar a mexer. Não, não falo do Corona, falo de problemas músculo-esqueléticos que já há dois anos me incapacitam consideravelmente, e só há relativamente pouco tempo me deram algum descanso. Nessa altura voltei ao ginásio, e então tenho uma ideia mais ou menos clara de até onde este jogo pode ir.

 

A tentativa de introduzir uma história nos exercícios é muito bem conseguida. Em qualquer outra situação era passível de fazer quem a escreveu corar de vergonha, mas para um jogo deste género é o que se pede. Tornamo-nos amigos de Ring que de certa forma representa o aro que se costuma ver em algumas aulas de Pilates e o nosso objectivo é combateur Dragaux, o seu antigo companheiro, agora influenciado por forças maléficas.

Para jogar usamos também outro adereço, um elástico de prender à perna que tem por objectivo detectar os movimentos desse membro. Já o sistema do Wii Fit era similar.

Começamos com um set básico de exercícios para nos ajudar no modo de história, mas consoante vamos progredindo no jogo e melhorando as nossas habilidades de defesa e ataque, assim num cheirinho a RPG, vamos desbloqueando novos exercícios, que inicialmente nem percebemos porque não entram no setup, só depois desbloqueamos um código de cores que nos associa alguns exercícios a determinados inimigos é que percebemos que o jogo ficaria muito mais fácil se simplesmente pudéssemos escolher qualquer exercício.

Mas isto é capaz de substituir um ginásio?

Nem por sombras. Mesmo que o jogo seja bom a identificar o teu nível de actividade, e te ofereça sempre a opção de aumentar ou diminuir a intensidade dos exercícios, não é de todo um exercício global. Sim é capaz de te fazer suar um bom bocado se te esforçares, e se te deres ao trabalho podes deixar o modo de história e fazer sets de exercícios localizados até bastante interessantes, há músculos que têm muita dificuldade em trabalhar.

 

Então o que é que o jogo faz?

O jogo torna-se interessante numa perspectiva de criar hábitos de exercício. Motiva-nos e dá-nos uma razão para voltar todos os dias. Tem imensos níveis que podemos encaixar em diversas partes do dia e é generoso no momento em que nos sugere parar. Dá algumas dicas úteis de alimentação, hidratação e repouso que podem ser interessantes para quem não liga nada a isso. É bom na componente cardíaca já que baseia muito da sua história em correr no mesmo sítio (com o movimento que na escola chamava de skipping), e se acompanhares cada passada com outros movimentos que podes fazer com o aro notas bem que te estás a cansar. O primeiro dia que joguei o jogo acabei com dores musculares, mesmo assim fui sempre aumentado a intensidade até chegar ao ponto de equilíbrio, com resultados interessantes. Tem também alguns exercícios de yoga, mas não os achei particularmente pertinentes no modo de história, pois parece não encaixarem no ritmo geral do jogo, é como se nos mandassem passar do entusiasmo extremo para a calma dum minuto para o outro. Há também alguns minijogos que, esses sim, encaixam muito bem no tema e sempre que tinha acesso a um, ia logo fazê-lo. Tem também um original modo Multitask onde podes andar pela casa a fazer exercícios com o aro de Pilates sendo esse exercício contabilizado pela consola e convertido em pontos na tua aventura. Além disso nunca pensei em combater monstrinhos num combate por turnos enquanto fazia exercício. Quem diria...

 

E o material não se escangalha todo?

Até ver parece-me surpreendentemente resistente. Tive alguns problemas com a fita elástica da perna, que frequentemente saía do sítio e para reajustar era frequente perdermos o ritmo. Um dos joy-cons tem infravermelho que serve também para ir avaliando a nossa pulsação no final de cada nível, e os valores que obtém são similares aos que consigo no relógio, pelo que não tenho grande motivo para não os considerar credíveis, no entanto isto é mais uma tech demo que uma feature útil.

 

E posso usar isto sem reservas?

Não diria. O jogo não é muito claro a explicar-nos as posições correctas a ter, os cuidados a ter em cada posição e em cada exercício, em que músculos nos focarmos a cada altura. Ring funciona um pouco como um treinador pessoal, mas mais na parte da motivação. Por vezes algumas dicas saem, mas nem sempre é fácil reproduzir in loco o que nos dizem, pelo que se tiveres algum problema de saúde, especialmente músculo-esquelético, talvez eu recomende alguma calma a usar o jogo para que não agraves o mal que já tens.

E então, a que conclusão chegaste?

A situação que vivemos é bastante infeliz, mas este jogo parece encaixar nela como uma luva. Engraçado o suficiente, motivador o suficiente, bem feito o suficiente para nos dar actividade física suficiente para não nos tornarmos um hipopótamo. Caso queiras e te interesses mesmo dá-te também ferramentas mais avançadas para criares os teus planos e levares os exercícios mais a sério. É um produto feito com cuidado, e bastante bem feito. Não o compres à procura de milagres, continua a ser algo completamente dependente da tua motivação, e não sei até que ponto terá grande longevidade sem ela, mas caso estejas motivado, e mesmo sendo um bocado caro, parece uma boa proposta.

 

Não te esqueças, até passar a Covid-19 fica em casa sempre que possível e segue as recomendações da DGS. Fica seguro!

  • Lançamento: 18 de Outubro de 2019
  • Plataformas: Nintendo Switch
  • Desenvolvedor: Nintendo
  • Editora: Nintendo
  • Nota Pessoal: 8/10