2018 Oct 11 / 02:57

Review: Forza Horizon 4

Usualmente costumo jogar três jogos ao mesmo tempo. Sim é um bocado estranho, mas assim não corro o risco de enjoar de nenhum. Forza Horizon 4 fez-me quebrar essa regra. Não tenho conseguido de parar de o jogar desde que saiu, e não fosse o bumper direito do meu Elite Controler ter convenientemente avariado dois meses depois do fim da garantia, não teria escrito esta análise tão cedo, isso vos garanto. Este jogo não é perfeito mas anda lá perto. 

Forza Horizon 4 conseguiu conciliar de forma sublime um jogo de corridas arcade com uma capacidade de conduzir de forma bem próxima duma simulação. Soma a isso mundo aberto que não serve só para encher chouriços, eventos até perder de vista, múltiplas actividades muitas delas com mini-histórias que vais seguindo e completando a cada nível e um infindável número de carros fielmente reproduzidos. 

A história é simples, estás num evento de corridas no norte de Inglaterra/Escócia onde podes conduzir à vontadinha. Esta é a história base. Passas por um tutorial onde te mostram o ex-libris destra entrada na franchise, as 4 estações do ano, e a partir daí entras na luta por um lugar na equipa principal do evento de Horizon.  

A nível sonoro não encontro falhas. O som dos carros está finamente reproduzido. Acho talvez alguns demasiado parecidos, mas dado que não tenho conhecimento para saber se não é assim mesmo, não considero isso como uma falha, só a constatação dum facto. Talvez o que mais goste seja o barulho dum carro a reduzir velocidades... lindo! O que menos gosto é mesmo da trilha sonora. Embora haja música para todos os gostos e feitios, nenhuma me parece exactamente a meu gosto e torna-se repetitiva rapidamente. Atenção também a quem gosta de meter uns videos na net, esqueçam o som se quiserem evitar copyright claims. Been there, done that! 

Deixei o melhor para o fim. Graficamente o jogo é praticamente perfeito. É fantástico e não tenho elogios que cheguem. Desde os efeitos de pó, terra, lama e água, com diferentes comportamentos consoante a vista que escolhem para conduzir, detalhes sublimes da água nos carros e vidros. Perfeito! Realmente não é fácil descrever o nível de imersão que este jogo me deu. Simplesmento esquecia-me de tudo o resto à minha volta enquanto estava a jogar. 

Infelizmente há mini aborrecimentozinhos. Começamos por escolher um avatar. Não percebi porque é que não podíamos costumizá-lo, mas parti do princípio que nunca mais o veríamos durante o jogo. Qual o problema? Está sempre a aparecer. Sempre! Nem uma mulher de cabelo comprido existe, e não vejo espaços livres no ecrã para besbloquearmos mais opções no futuro.

Rapidamente nos esquecemos disso, porque vamos conduzir, mas voltamos a lembrar-nos porque temos de passar por um loading screen e outro depois desse para depois sermos recebidos por uma voz demasiadamente alegre, que nos lembra que já devemos andar um bocado acima da faixa etária a que este jogo se destina, mas não faz mal, continuo a ser um jovem por dentro! 

Iniciamos o tutorial que durante cerca de uma ou duas horas nos faz testar todas as estações do ano. As cores do Outono são simplesmente fantásticas, de longe a minha estação do ano favorita. Mal saímos do tutorial passamos a jogar online e estamos sujeitos a uma estação fixa por semana. Felizmente esta semana era o Outono, por isso... porreiro, pah! O Inverno é a estação que nos fornece mais opções, no entanto também é a que apresenta uma condução mais rígida, que permite menos erros, pois facilmente entramos em neve mais funda e perdemos tempo precioso. Senti falta dos nevões a sério. Pode ter sido só do tutorial... vou esperar pela semana do Inverno para ver se aparecem. 

Na Primavera há cor verde, chuva e lama com fartura. Gostei da lama mas, tal como o Verão achei tudo mais convencional. Não há mal nenhum nisso, e acho giro estar aqui a discutir entre o fantástico e o genial. Picuinhíces. 

Quando entras no mapa as missões vão aparecendo em catadupa. Há algumas ligadas à estação em si, outras ao jogo de corridas no geral, e ainda há alguns eventos com história dentro da própria história. Há um que destaco, a youtuber/streamer Laracer que nos dá 10 cenários para corrermos com 10 carros emblemáticos de videojogos clássicos, achei a ideia muito inspirada. Para além disso admito que o que mais gosto de fazer é procurar os carros clássicos nos celeiros. Estou sempre mortinho para que apareça a mensagem dum novo rumor para ir para o meio do mato procurar o celeiro escondido. Não podem esquecer que é um servidor comum para múltiplos jogadores e é giro quando anda mais que um a procurar a mesma coisa, por vezes até conseguimos ajudar-nos uns aos outros. 

Então isto é um jogo multiplayer? Nem por isso. É certo que vês os outros drivatars, e se tiveres amigos na Xbox vais andar sempre a correr contra os drivatatars deles, mas cada um anda na sua vidinha. O mais comum é sempre que tentares fazer alguma coisa em co-op ninguém aparecer e acabas por correr a solo. Tentei várias vezes invariavelmente sem sucesso. O que fiz foi entrar em algumas corridas de PvP que também são divertidas, mas como os carros não são iguais para todos, há sempre alguém que fica com vantagem sobre os outros. 

Há eventos ao vivo a que toda a gente se pode juntar, mas admito que se tornam repetitivos e valem mais pela pelos pontos de experiência que acabamos por ganhar ao completá-los. 

Nunca esquecendo que vamos correr contra comboios, hoovercrafts, aviões, jactos, motas de motocross... há tanto evento destes. Um poço de diversão, embora todos muuuito scripted para que consigamos apanhar sempre um ou dois momentos cinemáticos impressionantes, como saltar por cima do comboio, por exemplo. Isso não me aborrece, admito que gosto desse momento cinemático, quero-o lá!

Falando nisso, há duas formas de progressão. A experiência normal que te faz subir de nível e os pontos que ganhas ao fazer habilidades com o carro. Nos jogos anteriores tinhas uma skill tree geral, mas agora tens uma para cada carro. Cada um deles tem um conjunto de perks específicos, alguns melhores, outros piores. Uns mais específicos para uma actividade, uns para outras, outros para nada. Quem tiver com paciência para os estudar digo já que se prezam a alguns exploits.  

Podes também comprar e vender carros em leilão, o que ajuda a quem quer simplesmente acumular, pois os carros saem geralmente bem mais baratos aí. 

As corridas não fogem muito ao normal, mas em bom. Para um jogo arcade, mesmo que em mundo aberto, senti um bocado a falta de poder recomeçar uma corrida sem ter de conduzir de volta ao ponto de partida. Era um acrescento de qualidade de vida. Para fazer isso temos de fazer restart, perdendo os pontos ganhos até aí. É algo que até tem lógica, mas pedir não custa... 

Agora o que menos gostei e que me irritou quando reparei. Isto tira meio ponto à minha nota final. Há eventos ligados a DLC pagos. Tinha um em que só podia entrar com carros do DLC dos filmes James Bond. Fiquei piúrso. Mais tarde lembrei-me que poderei eventualmente comprar esses carros em leilão se alguém os meter à venda, mas mesmo assim... isto torna a versão standard do jogo na versão incompleta. Provavelmente se a Anna, o nosso muito útil GPS, não me tivesse levado para esse evento quando lhe pedi uma corrida ao calhas nem teria reparado porque há tanto, mas tanto, mas tanto conteúdo que o mais provavel era ter deixado acabar a época sem sequer ter notado na corrida. Mas notei.  

Replay value é algo simplesmente gigantesco aliás, nem sei se posso considerar replay value porque na prática não páras de jogar, tão simples quanto isso. 

 

Concluindo, o jogo é brilhante. Tenho o Game Pass e foi este o único jogo que achei que me ia fazer poupar uns trocos só para compar um qualquer passe vip ou fazer upgrade para Ultimate Edition pois o jogo é tão, tão, tão bom que quem o fez merece, mas notei aquela missão atrás duma pay wall e isso aborreceu-me. Isso não invalida que o jogo roce a perfeição. Adoro jogos de carros mas nunca tinha encontrado um que não fosse uma simulação pura ou não fosse um arcade muito pateta. Forza Horizon 4 é o meu jogo. Obrigado Playground e Turn 10!

  • Lançamento: 2 de Outubro de 2018
  • Plataformas: Xbox One/PC
  • Desenvolvedor: Playground Games/Turn 10 Studios
  • Editora: Microsoft Studios
  • Nota Pessoal: 9/10
  • Analisado na versão do jogo para PC