2019 Nov 05 / 00:01

Baldur's Gate & Baldur's Gate II Enhanced Edition

Existem vários remasters no mercado, sendo que para mim a maioria são desnecessários, mexem um pouco nos gráficos e fazem adaptações para outras plataformas e está pronto para ser vendido outra vez, são poucos os que demonstram que houve vontade de trazer realmente o jogo do passado para o presente. Este é um dos que eu sinto isso. Sabendo que concerteza compensa para os interessados em Baldur's Gate III que nunca jogaram os anteriores e vão entrar neste universo pelo último título lançado.

Não me soube bem jogar este jogo, não sei se porque não gostei, o que acho bastante estranho sendo eu fã de jogos RPG, sobretudo quando existe um sistema tão profundo contido no jogo, se por simplesmente não estar com a disposição correcta para aprender a jogá-lo corretamente. O sistema de RPG é sem dúvida muito profundo, e usa alguns termos que não me foram assim tão simples decifrar comparando aos RPG dos dias de hoje onde associamos facilmente a função de cada  stat. O tutorial foi uma bojarda de informação da qual tive dificuldade em reter tudo o que me foi passado, ou pelo menos assim o achava. Quando deparado com o jogo em si, apercebi-me que  ficaram as mecânicas base para se jogar o jogo, e na verdade foi apenas isso que me foi passado, o jogar o jogo em si, requer outro tipo de conhecimento. Respeito isso num RPG, e acabo por vê-lo como um jogo mágico, percebendo o porquê de ser uma série tão badalada no seu tempo, mas continuo sem ver um real porquê de o trazer para 2019, de certa forma, até me complica a vida para fazer a sua análise, sendo que todo o conteúdo já foi analisado e pouco poderei acrescentar do meu ponto de vista. Posso dizer que gosto imenso da existência de um rolar dos dados que acontece internamente de forma digital, mas no entanto, esse mesmo ponto tornou para mim o combate um tanto ou quanto aborrecido, sendo que lutas que podiam resolver-se rapidamente, acabam por ser um pouco demoradas demais para o meu gosto pois os personagens estão constatemente a falhar os ataques, tanto os meus como os adversários.

Comecemos pela adaptação para se jogar na Nintendo Switch. Corre perfeitamente tanto em handheld como docked. A escolha de botões para as acções também me soa muito acertada, no entanto senti de imediato que prefiro jogar este tipo de jogos com rato e teclado, sendo esta uma questão de hábito, quem não tem este preset mental vai sem dúvida sentir-se muito satisfeito ao jogar com comando.

Depois de pesquisar vi que  acrescentaram algum conteúdo novo. Itens, classes, quests e até storylines, ajustes a habilidades e ao interface, bugs que foram arranjados. Dou bastante valor a este trabalho, sendo que tanto o antigo jogador como o novo jogador pode desfrutar totalmente de tudo o que há de novo dentro desta categoria de novidades, mas continuo-me a perguntar se será suficiente para cobrir o valor pedido.

Em termos de gráficos não fizeram grande mudança. Como disse há pouco, fizeram a optimização gráfica que é standard e chegou. Tudo está menos distorcido, no entanto não vejo isso como um ponto positivo sendo que apenas acrescentaram uns pixeis, chego a dizer que olhando para imagens dos originais até prefiro os gráficos como estavam. Se olhar para Crash Bandicoot N Sane Trilogy ou Spyro Reignited, vejo claramente a falta de vontade e carinho que Beamdog teve, acho que valeria mais a pena seguirem o modelo dos dois jogos que referi em cima e trazer realmente o jogo para esta época. Sendo que o gameplay ainda hoje pode ser considerado diferente da maioria mas ainda actual, não lhes sobrava muito mais trabalho pela frente.


Relativo ao som do jogo não tenho nada de negativo a apontar, está incrivel. Os pássaros a piar, os grilos cricrilar, os sons do combate, tudo soa muito natural. Acreditem quando digo que os meus ouvidos agradeceram-me ouvir sons tão suaves.

Concluo que não é um dos melhores trabalhos já feitos enquanto remaster. Não sou fã destas práticas e este bundle não me mudou a opinião. A nota final não será influenciada pelo jogo em si, mas sim pelo que foi feito para o voltar a pôr à venda, e não sinto que tenha sido assim tanto. Se já jogaram e estão a sentir a nostalgia é de aproveitar, e igualmente o é caso queiram simplesmente ver o que foi feito para trás antes de jogar o próximo Baldur's Gate.

  • Lançamento: 4 de Outubro de 2019
  • Plataformas: PC/Xbox One/PS4/Nintendo Switch/ Android/ iOS/ Mac OS Classic/ Linux/ Mac OS
  • Desenvolvedor: Beamdog
  • Editora: Beamdog
  • Nota Pessoal: 5,5/10
  • Analisado na versão para Nintendo Switch
  • Cópia para análise gentilmente cedida por Ecoplay.

Rafael "Gripe" Pereira


Fã de vídeo-jogos desde a infância. Prefere jogos de ação e RPG's e o seu amor pelos jogos aumenta quanto mais velho fica. Gosta de explorar o mundo dos jogos e partilhar as suas descobertas.